Keblinger

Keblinger

Depois Do Sonho by @simonebrichta

| domingo, 11 de setembro de 2011
foto:Davi Diógenes de Carvalho
Este desenho começa com lápis e tinta na folha
riscos que passam rápido e caem aqui como gota,
sem tempo de pensar,
por qual motivo vieram ao papel
onde simplesmente possam nascer
na árvore de sua origem.

Visto outro céu sem travas, um espaço
que chove canções ainda não decifradas,
e esvazia a caixa,
lá a água jorra, saem entulhos,
o ressignificar, que leva ao novo.

Depois de polir a pedra bruta
entre um eco e um afeto
será preciso cavar.
Em túneis de labirintos e círculos,
com olhos invisíveis dentro da pele,
o lugar mais profundo do oceano
qual mapa igual não existe.

Mas desperta a nascente,
do rio dentro da gente
de esquinas infinitas
dos trilhos, sem aviso na estação
que na janela do trem
avista-se o abismo
mas existem caminhos

esses sentidos
que sutilmente dançam.

[Simone]

3 comentários:

{ Rita Schultz } at: 12 de setembro de 2011 11:38 disse...

sonhos que nos renascem para, a cada tela em branco dos dias, pintar a nossa história.
bjs, Simone!

{ Vanilla } at: 13 de setembro de 2011 10:49 disse...

Lindo .

"...outro céu sem travas"!

beijos Simone.

{ Valcir Machado } at: 16 de setembro de 2011 16:28 disse...

E de tantos encantos, novas telas virão e logo desbotarão, num eterno remontar.
Lindo poema!!!

 
Customizado por Dulce Miller

Copyright © 2010 Nostra Dolce Vita